5 Articulações que não Tendo Mobilidade Afetam a Performance

Como o movimento afeta o desempenho desportivo?

Extensão tripla

No exercício e na ciência do desporto, alcançar a extensão tripla tem sido o objetivo de muitos movimentos atléticos comuns. A extensão tripla é uma posição na qual o tornozelo, joelho e anca são estendidos.

 

Extensão quadrupla

Na programação do CrossFit, há uma revolução na forma como treinadores observam os movimentos em termos de biomecânica. A maioria dos exercícios de CrossFit e treinos enfatizam o que se pode chamar de extensão quadrupla global. Isso significa que o atleta estende o pé, tornozelo, joelho, anca e coluna torácica. A incapacidade de chegar a esta posição resulta em mau desempenho e dor. De seguida vou-lhe mostrar 5 articulações que por norma não têm muita mobilidade, e que impedem que os atletas tenham melhores performances. Tenha em mente que basta não ter mobilidade numa delas, que as outras 4 também se vão ressentir.

5 Articulações que não tendo mobilidade afetam a performance

1 – Dedo grande do pé

A falta de extensão no dedo grande do pé impede que o pé crie um arco quando o calcanhar atinge o chão. Isto é referido como o mecanismo do molinete. À medida que o calcanhar atinge o chão durante o exercício, o pé rola em pronação (colapso do arco). O contato do dedo do pé com o chão retarda a pronação e puxa a fáscia plantar para formar o arco do pé. A incapacidade de retardar a pronação leva o atleta a uma excessiva libertação, Isso força a compensação de outras articulações para atrasar o joelho à medida que o peso é transferido.

Qual o impacto que tem na performance?

Muitos exercícios de CrossFit envolvem a transferência de peso de uma perna para a outra (correr, lunge, farmer’s walks, etc). O objetivo destes exercícios é mover-se de um ponto para o outro, para uma melhor eficiência devem ser feitos em linha reta.

2 – Tornozelo

No tornozelo, se um osso do calcanhar que se deslocou lateralmente, então é uma indicação de que está a transportar mais peso para a linha média do corpo. O tornozelo acomoda esta mudança na distribuição do peso, girando os pés para fora. Ao fazê-lo, o tendão de Aquiles fica torcido um pouco e o movimento se torna compensado. A dorsiflexão (o girar dos dedos dos pés e dobra o pé de volta para o tornozelo) é perdida e o cérebro pedirá a outros músculos para compensar, criando assim um padrão de compensação.

 

Qual o impacto que tem na performance?

Quando o tornozelo não dobra bem, o joelho e a anca tentarão compensar a diferença. Uma restrição na articulação do tornozelo, forçará o joelho a viajar para a frente solicitando mais o quadrícep para carregar a carga, e empurrar o joelho para baixo. Isso coloca os glúteos numa posição fraca para carregar e limita a quantidade de força que pode ser produzida. Isto é prejudicial para explodir da posição de agachamento para cima nos squats, também é prejudicial para gerar força nos glúteos.  A falta de dorsiflexão puxa os joelhos e arrasta as ancas. Um atleta que sofre de falta de dorsiflexão frequentemente se queixa de dores no joelho e dor lombar.

3- Anca

Muita gente não tem ideia que a pélvis não é uma junção única, embora à primeira vista possa parecer como um cilindro, é composta de quatro partes. Durante o exercício uma parte da anca deve ser flexível enquanto a outra se estende.  Um dos desvios posturais mais comuns que ocorrem é uma inclinação pélvica anterior. Isto acontece quando um ou mais ossos da anca se inclina para a frente, isto bloqueará a parte de trás da pélvis e impede que a anca se estenda.

Qual o impacto que tem na performance?

Sem a habilidade adequada de flexionar e estender a anca, um atleta será forçado a compensar os movimentos ao fazer coisas como correr. A anca é muito dinâmica e pode realizar muitos movimentos diferentes. A flexão da anca vem com rotação externa, enquanto a extensão da anca é acoplada com rotação interna. Uma pessoa que não tem a capacidade de estender a uma inclinação pélvica anterior, também não terá a capacidade de girar internamente. Isso levará o cérebro a compensar movendo a perna para a frente, o que geralmente significa que a perna deve ser inclinada para a frente e para o lado. Como resultado a energia é desperdiçada e a performance sofre. Um atleta que tenha uma inclinação pélvica anterior, frequentemente se queixa de dor nas articulações sacroilíacas, músculo quadratus lumborum e joelhos.

4 – Coluna torácica

A cifose excessiva torácica (arredondamento dos ombros) pode ter o maior impacto negativo observável na extensão global. A escapula (ombreiras) é anexada à nossa caixa torácica. Quando uma parte superior das costas volta, as omoplatas são empurradas para cima e para frente. Isso fecha o espaço que a parte superior do braço tem para rodar, e torna impossível levantar os braços sobre a cabeça sem manipular a posição da coluna vertebral. O arredondamento excessivo também muda a posição da caixa torácica, porque normalmente é acompanhada por um arco excessivo na parte inferior das costas. Ao fazê-lo, a capacidade de recrutar corretamente os músculos do tronco é inibida.

Qual o impacto que tem na performance?

Muitos exercícios de CrossFit são realizados no plano sagital (um plano vertical que passa de anterior para posterior, dividindo o corpo em metades direita e esquerda). Existem muitos exercícios que envolvem flexão e extensão do ombro. O ombro é bastante dinâmico e pode se mover em vários planos, mas depende do posicionamento da escapula para fazê-lo eficientemente. Quando a escapula é muito alta, precisará compensar arqueando a parte inferior das costas para levantar os braços sobre a cabeça. Mais uma vez, este é um exemplo de desperdício de energia, no qual o objetivo é aumentar o peso. Quando uma pessoa tem uma curva excessiva nas vértebras torácicas, elas também perderão mobilidade rotacional. Um atleta que tenha uma curva torácica excessiva frequentemente se queixa de choques de ombro, e dores no cotovelo.

5 – Pescoço

Colocar a cabeça sempre para a frente, é o desvio postural mais comum visto na cabeça e no pescoço. A cabeça pesa 8 a 11 quilos, é preciso lembrar que a espinha é uma peça única. Se o pescoço estiver fora da posição, o resto do corpo segue ou é tributado excessivamente para mantê-la no lugar. Um dos músculos sobrecarregados pela colocação da cabeça para frente é a escapula.

Qual o impacto que tem na performance?

O CrossFit é incrivelmente dinâmico e exige explosividade, coordenação, flexibilidade e resistência. Muitas vezes é ignorada é a importância de manter um centro de massa. Colocar a cabeça e pescoço para a frente desloca esse centro de massa, quase como se uma pessoa estivesse constantemente a cair para a frente. O cérebro do atleta precisará de recrutar músculos adicionais para manter o alinhamento e o bom posicionamento. Isso é contraproducente para um atleta que está a tentar ser mais rápido e mais forte, porque o músculo é treinado para fazer um trabalho. Um músculo facilmente estimulado pode ser recrutado quando não for necessário. Este é o conceito de dominância sinérgica e inibição recíproca. O mau alinhamento para um atleta leva a desequilíbrios musculares e comprometimento do movimento. Um transporte de cabeça para frente é um exemplo disso.

Se voltarmos à nossa anatomia funcional, sabemos que o músculo da escápula se liga da base do crânio ao topo da escápula. Colocar o pescoço para a frente encurtará a escápula e o trapézio superior. A função apropriada do ombro e o posicionamento da caixa torácica, serão muito difíceis de alcançar porque o trapézio inferior será inibido e a escápula será difícil de pressionar. Colocar o pescoço para a frente por norma leva a dores no ombro, no pescoço e dores de cabeça.

Em tudo na vida o que nos torna grandes é dar atenção aquilo em que somos mais fracos, e não aquilo em que somo mais fortes. O Crossfit revolucionou a capacidade do corpo humano. Os nossos “motores” são mais fortes, rápidos e ajustados do que nunca. A única coisa que retardará a sua evolução é não dar importância às pequenas coisas que devem ser melhoradas.

ARTIGO PATROCINADO POR XCORE NUTRITION
CLIQUE NO SEGUINTE LINK: prozis.com/1sMq
E UTILIZE O CUPÃO: PLANETAC
PARA OBTER 10% DE DESCONTO EM TODOS OS PRODUTOS DO SITE DA PROZIS

Fonte e fotos: BoxRox

VEJA TAMBÉM
loading...

Deixar uma resposta