Panorama do LPO no Brasil e o CrossFit como ferramenta de popularização da modalidade

Na última década, a modalidade esportiva de Levantamento de Peso Olímpico (LPO) vem sendo cada vez mais oportunizada em clubes, centros de treinamentos militares e privados, além dos inúmeros boxes de Crossfit no Brasil. Atualmente, o país possui nomes de destaque no cenário internacional como o melhor atleta do Brasil de todos os tempos e atual quinto colocado no ranking da International Weightlifting Federation (IWF), Fernando Reis, além de Marcos Gregório, Mateus Gregório, Wellison Rosa, Romário Martins e Rosane Santos.

Mas, antes de iniciar seu processo de popularização, o LPO crescia aos poucos em nichos específicos do país. Em 2004, lá no antigo portão 13 do Estádio Jornalista Mário Filho, mais conhecido como Maracanã, no Centro de Treinamento (CT), o treinador romeno, Dragos Stanica – atualmente está a frente da seleção brasileira e é o responsável pela preparação esportiva das atletas, Liliane Menezes e Jaqueline Ferreira -, foi um dos profissionais que deram início a modalidade no país com, praticamente, 90 % da delegação brasileira formada por esportistas oriundos do atletismo, principalmente das provas de velocidade. Destaque para as atletas Aline Campeiro e Jaqueline Ferreira, das provas de velocidade, Bruno Laporte, das provas de lançamento e Antônio Carlos Aveiro, da prova de combinadas.

Em 2007, no tradicional Clube de Natação e Regatas Santa Luzia, na Praça Mauá no RJ, a comissão de treinadores abriu os treinos para a comunidade local, principalmente para crianças e adolescentes. O que, junto com o Pan Americano, sediado em solo carioca, no mesmo, contribuiu para que o Levantamento de Peso conquistasse mais adeptos.

Desde então algumas iniciativas surgiram, principalmente na capital do Rio De Janeiro. Em 2009, na Marinha do Brasil, no CEFAN (Centro de Educação Física Almirante Adalberto Nunes), foi realizado um trabalho com as categorias de base, com o objetivo não só mais de oportunizar, mas de especializar a prática do LPO. Em 2014, no Centro de Performance Humana, na Tijuca, o treinador e membro do Comitê Olímpico do Brasil (COB), Marcus Costa, especialista em Treinamento Desportivo na Universidade Estatal de Esportes e Cultura Física de Moscou na Rússia, desponta neste cenário como o primeiro brasileiro formado em LPO na renomada escola Búlgara, Varbanov School of Weightlifting (VSW) e único treinador na cidade do RJ reconhecido pela ELEIKO e pela IWF, certificado como nível 2. Costa utilizou o LPO como estratégia de treinamento de força para potencializar as capacidades de Força e Potência de atletas de diferentes modalidades esportivas como Atletismo, Esportes de Combate, Rugby, Vôlei de Praia e Natação, conquistando inúmeras medalhas e títulos regionais, nacionais e internacionais.

Em 2016, o Brasil sediou os Jogos Olímpicos Rio 2016 e muitas modalidades, inclusive o LPO, ganharam visibilidade o que provocou um pico de crescimento muito positivo. Além disso, neste mesmo ano, com capacidade para receber até 300 atletas, foi inaugurado o Centro Nacional de Levantamento de Pesos no Rio de Janeiro (RJ). Na ocasião, após uma breve apresentação sobre o Programa Olímpico da Marinha (PROLIM), foi também assinado um protocolo de intenções entre o CEFAN e a Confederação Brasileira de Lutas Profissionais visando a operação e a manutenção da instalação e que integra a Rede Nacional de Treinamento (RNT). A iniciativa pioneira da Marinha do Brasil, que se concretiza como a primeira exclusivamente destinada ao levantamento de pesos e a mais moderna do gênero da América Latina, representa um dos mais expressivos legados olímpicos para as modalidades de Levantamento de Peso Olímpico (LPO) e Halterofilismo (paraolímpico).

Nesses últimos anos, a modalidade esportiva do Crossfit tem sido uma forte e verdadeira aliada na divulgação do LPO no país. Contudo, a modalidade carece de profissionais realmente capacitados com excelência para ministrar treinamentos com o LPO, pois suas práxis (aprendizado teórico-prático) é extremamente técnica, e com alto risco de lesões, caso seja orientada e prescrita por um profissional sem Know How exigido. Isso porque os melhores cursos de formação requerem um alto investimento financeiro e, geralmente, são ministrados em outros países como EUA, Suécia, China, e no Leste Europeu (Rússia e Bulgária). No Brasil, poucos são os profissionais gabaritados, como é o caso do treinador de LPO e CrossFit do Grupo CrossFit Campinas, Marcus Costa, que atualmente direciona seu trabalho aos praticantes de CrossFit na cidade de Campinas, interior de São Paulo.

Infelizmente ainda há não pesquisas que comprovem e embasem em dados o crescimento da prática do LPO no Brasil, contudo essa demanda será uma consequência natural inerente a toda modalidade esportiva em expansão.

Por Marcos Costa

Atualmente, Marcus Costa é coach de CrossFit, treinador assistente e preparador esportivo/físico do Centro Nacional de Desenvolvimento de Atletismo em Bragança Paulista-SP e Consultor Esportivo de Atletismo no Projeto Brasil Vale Ouro. Pós-Graduando em Metodologia do Treinamento para Esporte de Alto Rendimento NAR-SP, Costa ainda é Especialista em Alto Rendimento Esportivo, na modalidade Atletismo – ABT-COB (Academia Brasileira de Treinadores – Comitê Olímpico do Brasil) e Especialista em Treinamento Desportivo pela EEFD/UFRJ e Extensão em Treinamento Desportivo pela Universidade Estatal de Esportes e Cultura Física de Moscou-Rússia. Possui certificados pela IAAF (Internacional Association of Athletics Federation) Nível I e em Levantamento Olímpico pela Varbanov School of Weightlifting, em Varna-Bulgária.

VEJA TAMBÉM
loading...

Deixar uma resposta